domingo, 5 de agosto de 2012

PARTE #5



ENTREVISTA Nº. 5 - Finalmente, jogador profissional de futebol
Nome do jogador: Danilo
Idade: 20 anos
Posição: Lateral Direito
Time: FC Porto

Lembra-se do primeiro dia em que treinou com os profissionais? Quem lhe deu essa oportunidade? Lembro sim. Foi com o treinador Enderson Moreira. Na época era meu treinador no júnior do América - MG. O time principal não passava por um bom momento e o treinador foi mandado embora e então ele assumiu. Assim, me levou e mais alguns garotos para serem observados junto com os profissionais. Isso em março de 2009.

Seu primeiro jogo como profissional, como foi? Foi logo na mesma semana que eu fui treinar com o time principal. Treinei numa terça e na quinta feira já estava jogando pelo profissional do América - MG. Era a ultima rodada da primeira fase do campeonato mineiro daquele ano, um jogo contra o Uberaba no 'antigo' Independência. Ganhamos por 2 a 1, e eu entrei no segundo tempo.

Depois de anos de luta, atingir um objetivo é maravilhoso, como é este sentimento? O sentimento é único! Uma coisa que fica difícil de explicar. Realização, alegria e ao mesmo tempo insegurança, um pouco de medo. Muita coisa junta. No meu caso, eu fui daquele momento só crescendo, não tive altos e baixos como acontece normalmente, o que não me deixou perceber muito bem tudo que estava acontecendo. Mas hoje, olhando com mais calma vejo que foi uma conquista muito grande e que poucos conseguiram.

Qual é a diferença de jogar apenas na base pro profissional? A pressão da torcida, da diretoria? Na base sempre tem a paciência de quando o resultado não vem tentar de novo, treinar mais pra aprimorar e tentar fazer melhor. No profissional a paciência é quase zero. Ou se tem resultado e boas atuações ou então troca. Não tem outra forma. Então a exigência é sempre grande. 

A maioria dos jogadores de futebol sonha em chegar à Seleção Brasileira. Você conseguiu o feito de ser campeão com a sub-20 comandada pelo técnico Ney Franco, e agora foi convocado pelo Mano Menezes na primeira lista para servir às Olimpíadas.  Você já parou pra pensar como foi essa evolução? E como é pra você servir ao seu país, a responsabilidade, pressão para que se tenha um bom trabalho para a Copa do Mundo em 2014? Acho que quando se esta dentro do projeto, sempre jogando, você não para pra pensar sobre todos esses aspectos. Mas olhando de uma forma mais racional da pra notar que foi uma evolução muito rápida onde eu aproveitei as oportunidades que tive. Tanto no América MG, quanto no Santos e na Seleção Brasileira. Estar na seleção, ter já ganhado títulos importantes tanto pela sub 20, como pela principal e ter a chance de jogar as olimpíadas onde o Brasil nunca conseguiu ganhar é uma alegria imensa. A responsabilidade é muito grande também, mas vai só ate entrar no gramado, a partir dali se esquece de tudo e a vontade é só de jogar futebol e vencer cada partida.          

Ao ser mais visado é normal maior número de expectadores. Como você lida com a mídia, autógrafos, fãs? Há uma preparação pessoal (das próprias pessoas que te acompanham) ou até mesmo dos clubes em que jogou no Brasil e agora no Porto? Isso vai de cada jogador. Tem pessoas que tem mais dificuldade para lidar com isso. Eu tenho ate uma facilidade, sou bastante comunicativo, procuro tratar bem as pessoas. Lógico que tudo tem certo limite e há dias em que você não está bem, ou não está tão alegre. Mas normalmente o segredo para tudo isso é agir com naturalidade, procurar tratar bem todas as pessoas, afinal é sempre bom receber o carinho por aquilo que se faz.

E qual é o seu objetivo? Tenho muitos objetivos ainda na minha carreira! Tenho o privilégio de ter ganhado muitos títulos em pouco tempo. Mas tudo isso é passado, história. Então meu próximo objetivo sem dúvidas é ganhar as olimpíadas pela Seleção e assim consolidar meu espaço com a camisa do Brasil. Meu grande sonho é estar na copa de 2014, mas só estando bem no meu clube e tendo boas atuações que conseguirei alcançar. Então pretendo trabalhar muito e fazer historia no FC Porto, assim como foi nos meus outros clubes. Isso sem duvida vai me fazer estar bem perto de uma vaga na Copa do Mundo no Brasil.

Esta foi a última edição do quadro DA BASE AO PROFISSIONAL, caso não tenha visto as outras, confira abaixo:

1ª PARTE - Sair de casa, saudade da família, chegando ao clube - MARCELO PASSOS
2ª PARTE - A preparação que o clube faz com o jogador - CAÍQUE RIBEIRO
3ª PARTE - As experiências, intercâmbio, jogos internacionais - DILL FINAMORE
4ª PARTE - Quando o sonho não é alcançado, desistência de ser jogador - ANDRÉ BOBEK

18 comentários:

  1. Parabéns pela entrevista. Muito bom!!!
    Danilo é um grande jogador. Tomara que consiga junto ao grupo a medalha nas Olimpíadas.

    ResponderExcluir
  2. Muito boa a entrevista.
    Parabéns.
    Suuucessoo

    ResponderExcluir
  3. Parabéns, muito boa entrevista...

    muito simpática e belo sorriso.

    ResponderExcluir
  4. Parabens Robertinha! ;D Fera a entrevista! ^^'

    ResponderExcluir
  5. Muito show Bolerona,
    Parabens, mando muito bem...

    Beijao

    ResponderExcluir
  6. Bela entrevista. Sucesso!!

    ResponderExcluir
  7. Muito boa a entrevista robertinha.
    Parabéns

    ResponderExcluir
  8. Que entrevista Bacana. Você é "show de bola" robertinha! :D

    ResponderExcluir
  9. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  10. b1, vc ta beirando a fama vei kkkk. ficou massa! parabens!

    ResponderExcluir

Twitter Delicious Facebook Digg Stumbleupon Favorites More

 
Powered by Blogger